Empresas são responsáveis por treinamento de trabalhadores

Cada emprego exige habilidades específicas. Para alguns ofícios, no entanto, não dominar essa técnica necessária pode ser sinônimo de risco à saúde e à vida. Por isso, empresas são obrigadas a garantir o treinamento e o aperfeiçoamento dos trabalhadores para prevenir ao máximo o risco de acidentes.

A Norma Regulamentadora (NR) nº 1 não deixa dúvidas ao definir que é responsabilidade do patrão informar seus funcionários sobre os perigos identificados no ambiente de trabalho. Os treinamentos são, portanto, uma medida de prevenção. O documento exige, ainda, que o treinamento seja realizado logo depois da contratação e que iniciativas de aperfeiçoamento sejam recorrentes.

De acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), o período em que o trabalhador está nos cursos de aperfeiçoamento também conta como serviço efetivo. A legislação entende que trata-se de uma situação em que o empregado está à disposição do patrão.

Outras negligências

Além da obrigatoriedade do treinamento, as empresas também são responsáveis pela contratação e mais trabalhadores quando a atividade assim exigir. Se uma máquina, por exemplo, precisa de duas pessoas para funcionar de forma segura, o patrão não pode exigir que apenas um empregado a maneje.

Caso ocorra um acidente de trabalho, a empresa deverá ser inteiramente responsabilizada pela negligência. Os trabalhadores que identificarem esse tipo de conduta devem entrar em contato com o STIP e relatar o caso.

Para o presidente do STIP, Gilmar Servidoni, o treinamento e o aperfeiçoamento são fundamentais para assegurar a integridade dos trabalhadores. “A empresa que ignora a realização desses procedimentos está expondo seus funcionários a grandes riscos. Toda e qualquer negligência precisa ser comunicada ao sindicato, que tomará as medidas necessárias para reverter a situação”, afirma.

Fonte: STIP